sábado, novembro 18, 2006

A vida é um comboio


Isso mesmo, a vida não passa de uma viagem de comboio, cheia de embarques e desembarques,alguns acidentes, surpresas agradáveis em alguns embarques e grandes tristezas em noutros.

Quando nascemos, entramos nesse comboio e deparamos-nos com algumas pessoas que julgamos que estarão sempre nessa viagem connosco, como por exemplo os nossos pais. Infelizmente isso não é verdade, porque em alguma estação eles vão descer e deixar-nos órfãos do seu carinho, amizade e companhia insubstituível, mas isso não impede que durante a viagem, outras pessoas interessantes embarquem e venham a ser super especiais para nós. Chegam os nossos irmãos, amigos e até amores maravilhosos. Muitas pessoas apanham esse apenas a título de passeio; outros encontram nessa viagem somente tristezas; outros ainda circularão pelo comboio prontos a ajudar quem precisa. Muitos descem e deixam saudades eternas, outros tantos passam por ele de uma forma que quando desocupam o seu acento, ninguém sequer se percebe. Curioso é constatar que alguns passageiros que nos são tão caros acomodam-se em vagões diferentes dos nossos — portanto somos obrigados a fazer esse trajeto separados deles, o que não impede, é claro, que durante a viagem atravessemos com grande dificuldade o nosso vagão e cheguemos até eles.... só que infelizmente jamais poderemos sentar-nos ao seu lado, pois já alguém terá ocupando aquele lugar. Não importa, é assim a viagem, cheia de atropelos, sonhos, fantasias, esperas, despedidas... Porém, nunca retornos.

Então façamos essa viagem da melhor maneira possível, tentando relacionar-nos bem com todos os passageiros, procurando em cada um deles o que tiverem de melhor, lembrando sempre que em algum momento do trajecto eles poderão fraquejar e provavelmente teremos de entender isso, porque nós também fraquejaremos muitas vezes e com certeza haverá alguém que nos entenderá. O grande mistério afinal, é que jamais saberemos em que estação ou apeadeiro desceremos, e muito menos os nossos
companheiros, nem mesmo aquele que está sentado ao nosso lado.

Eu fico a pensar se quando descer desse comboio sentirei saudades.... acredito que sim, porque separar-me de alguns amigos que fiz nele será, no mínimo, doloroso, deixar os outros continuarem a viagem sozinhos com certeza será muito triste, mas agarro-me à esperança de que em algum momento estarei na estação principal e terei a grande emoção de vê—los chegar com uma bagagem que não tinham quando embarcaram... e o que vai me deixar mais feliz ainda será pensar que eu colaborei para que essa mesma bagagem tenha crescido e tornado-se valiosa.

Amigos, façamos juntos com que a nossa estada nesse comboio seja tranqüila, que tenha valido a pena e que quando chegar a hora de desembarcarmos, o nosso lugar vazio traga saudades e boas recordações àqueles que prosseguirem a viagem.



(adaptado por mim de "textos seleccionados" de Rubéns Queiróz, uma compilação de várias mensagens obtidas na Internet, enviadas por diversas pessoas)

4 devaneios:

Carina disse...

=) conta comigo
vou ja comprar um bilhete
***

Anónimo disse...

Não importa se o comboio é regional ou alfa, o que importa, é que neste comboio que é a vida saibas guardar todas as memórias, todas as alegrias de todos os apeadeiros e de todas as estações. Este comboio não tem viagem de regresso...lembra-te sempre disso...e aproveita ao máximo cada minuto desta magnífica viagem.
Eu também já comprei o bilhete deste comboio e não tenciono perdê-lo nunca...

Susana

Anónimo disse...

Gostei da analogia.
A vida é uma como um comboio que só pára se nós quisermos, uma vez que a linha não se acaba (nem provoca acidentes quando alguém rouba os fios de cobre lol).
Por isso viajemos, enchendo a nossa bagagem com as melhores coisas desta vida a cada apeadeiro.

Patrícia Santos disse...

Espero que também me deixes entrar no teu comboio. Tu estás no meu!
E lembra-te... quando desceres do comboio, o que importa é o estado em que deixaste os vagões, ecom a tua marca pessoal.
Dessa forma serás sempre lembrada. E nem precisas fazer muito... basta seres como és.

Beijos Cósmicos